Minha relação com a ESPM não é de hoje. Dou aulas na Escola há 17 anos. Sempre perguntei para os meus alunos: “vocês estão felizes com o que estão fazendo hoje em sua vidas profissionais?”. Cerca de 90% deles, nos últimos anos, têm respondido que não. Mas eles não estão desempregados. Eles trabalham em grandes empresas.

“Quero criar meu próprio negócio”, passou a ser uma frase constante que eu ouvia de meus alunos durante o horário de intervalo. E então, eu passava o intervalo inteiro os ajudando a entender como construir seus negócios.

Tendo essa percepção em mente, foi assim que nós, aqui na ACE, desenvolvemos em parceria com a ESPM, o Digital Business Lab, a Pós para Empreendedores em Negócios Digitais. Nesse post exploro o funcionamento do curso e levanto alguns questionamentos do como e quando empreender.

O formato do DB Lab

O Digital Business Lab é inteiro modulado para atender às necessidades do empreendedor e do seu negócio. Trabalhamos para desenvolver competências e aumentar a performance em 5 principais áreas: Empreendedorismo, Gestão, Produto, Finanças e Growth (Marketing e Vendas).

O curso tem duração de 3 semestres, respeitando o prazo em que a maior parte dos negócios digitais demora para começar a gerar uma receita considerável consistente.

O formato de aprendizado é modular, sempre norteado pela demanda do empreendedor.

Logo que o aluno entra, ele e seu projeto passam por um diagnóstico de desempenho e competências-chave, onde o mentor ACE/ESPM traça um plano inicial de aprendizado.

O primeiro semestre foi desenhado para nivelar conhecimento em todas as áreas: especialistas ACE e professores abordam as questões fundamentais de cada uma das áreas, para garantir que o aluno consiga melhorar a performance de seu negócio desde o início, e tenha uma base de qualidade para construir ao longo do curso.

A partir do 2º semestre, o aprendizado é guiado por um mentor, que acompanha o aluno até o final do curso, fazendo diagnósticos, validando aprendizados e observando quais as principais alavancas de crescimento e ajudando a determinar  quais conhecimentos específicos sobre o mercado do seu negócio é preciso dominar.

E um dos principais diferenciais é a forma como você pode adquirir esse conhecimento: aluno do Digital Business Lab pode cursar disciplinas em toda a ESPM, seja na graduação, na pós-graduação ou em qualquer outro formato, presencialmente ou à distância – é só combinar com seu mentor qual a melhor maneira de aprender.

Se quiser vivência prática, o aluno pode realizar imersões, trabalhando na ACE ou nas startups aceleradas por nós; ou participando de uma missão ao Vale do Silício, como as que promovemos anualmente com nossas startups.

Por que fazer uma pós para empreendedores?

Por mais que empreender seja a atividade que eu mais ame realizar, é preciso esclarecer algumas questões que o mundo empreendedor acabe estigmatizando:

  • Sucesso é uma métrica abstrata. Imagine: se eu perguntar para uma sala de 50 pessoas sobre o que é alcançar sucesso, a resposta jamais seria a mesma. Nem se eu perguntasse para 2 pessoas diferentes a resposta seria a mesma. Portanto, não se baseie em ser bem-sucedido pelo quê os outros acham. Se dedique àquilo que você acredita ser sucesso.
  • A mídia tende a nos gerar muita frustração. Achamos que a pessoa que estampa a capa das revistas de negócio é totalmente bem-sucedida. A realidade não funciona dessa forma. Todo e qualquer empreendedor está sempre preocupado com os problemas de seu negócio, mesmo os que são apresentados como modelo a ser seguido.
  • Você acha mesmo que não vai ter chefe? Quando você é empreendedor, é pior, pois além de ter que agir como um chefe consigo mesmo, o cliente é seu chefe, pois como empreendedor que quer ver o seu negócio dando certo, você se torna refém do que o seu cliente precisa.
  • Não ache que você vai valorizar a sua equipe mais do que a empresa que a trata super mal. É lógico que é possível você ter uma política de compreensão e bem-estar com a sua equipe (aqui na ACE funciona super bem, inclusive. Conhece nossos mandamentos?), mas não ache que por que é o seu negócio que você não estará tão preocupado quanto o Jeff Bezos com o que realmente indica se o seu negócio está funcionando: as finanças.
  • Nomadismo digital? Tente visualizar o que é melhor: você trabalhar sem horários ou muito discernimento (não se iluda achando que por ser dono do seu próprio negócio que poderá escolher trabalhar das 10 às 16hs) em um coworking na Tailândia ou trabalhar regradamente em sua cidade para quando for tirar férias na Tailândia realmente aproveitar o que o país pode te oferecer?
  • É impossível ter uma startup e ter qualidade de vida. Já mencionei isso nos últimos tópicos, mas caso ainda não esteja claro: você vai trabalhar – e muito. 100% das coisas que tentar vão dar errado. E está tudo bem com isso, faz parte do processo de empreender de aprender a reconstruir tudo do zero. Isso significa ir dormir preocupado com o seu negócio? Sim. Isso significa ter que abrir mão de algumas coisas para que o seu negócio funcione? Também. Faz parte da natureza de empreender de ter uma vida desbalanceada.
  • Empreender é solitário. Isso significa que enquanto pesquisa, aprende, mede e analisa, passará um bom tempo consigo mesmo tentando digerir o que todas as informações que está tentando acesso significam, e o mais importante: o quê fazer com elas.

Outro ponto que precisa estar claro é: nem todo negócio digital é uma startup. Qual a diferença entre eles? Um negócio digital vale o serviço que você oferece hoje, ou seja, não é possível medir quanto o seu negócio vai valer financeiramente daqui a 1 ou 5 anos.

Já a startup precisa ser escalável, ou seja, o seu produto vai ser o mesmo hoje, amanhã e daqui a 1 ano, sem alterar seu custo de produção, assim te permitindo crescer. E o mais importante: o lucro do seu negócio não tem retorno instantâneo. O seu esforço de hoje é justamente para transformar o negócio em um ativo em que você verá o dinheiro no futuro.

 

É possível empreender estando empregado?

“Ok, quero ter meu próprio negócio. Mas preciso largar o meu emprego para empreender?

Antes de tudo, se certifique que é isso que VOCÊ quer pra sua vida. Empreender é uma jornada emocional, que gera frustrações, mas também muita satisfação. Quanto mais você se planejar para empreender, melhor, justamente por conta das dificuldades que teu negócio pode te proporcionar.

E isso significa desde baixar o seu custo fixo e juntar dinheiro para investir, até realizar testes e experimentar com o seu possível cliente se realmente existe um mercado pra você mergulhar.

Quando você entrar em contato com o cliente, verá que você não tem uma ideia, você tem uma hipótese de ideia. Porque o início do que significa empreender, de fato, não é ter uma ideia, mas sim, encontrar um problema. Se certifique que esse problema existe, e então, trabalhe para desenvolver uma solução.

Se planejou para começar a empreender? Ok. Para startups, recomendo ter uma reserva de 2 a 3 anos de dinheiro, porque você precisa se jogar com tudo. As startups que aceleraram conosco sabem bem disso.

Para outros negócios digitais, não existe uma fórmula, é tudo questão de quando você se sentir confiante. Recomendo que você decida isso anteriormente, para não postergar a decisão.

O que não pode ficar de fora desse planejamento é uma conversa honesta e madura com quem convive com você. Essas pessoas precisam entender que sem o seu 100%, o negócio não vai alavancar.

Mostre a eles o como isso está diretamente ligado ao seu propósito – e a gente não mexe com o propósito de quem a gente se importa, certo? E seja duro consigo mesmo: organizar bem o seu tempo, ter uma rotina de trabalho e muita disciplina é essencial!

 

Fazer o DB Lab ou acelerar com a ACE?

“E qual a diferença entre o DB Lab e o programa de aceleração da ACE?”, vocês podem me perguntar.

O básico: na ACE, aceleramos startups. No DB Lab, a possibilidade é de construirmos tanto startups quanto negócios digitais. Os aceleradores e outros profissionais da ACE, inclusive, serão os professores e mentores do curso. A diferença está na relação que teremos.

Enquanto na ACE, seremos sócios e a corda estará muito mais esticada para que o seu negócio se reverta em sucesso (afinal, o seu sucesso é o nosso sucesso), e portanto, presumimos que você já possua uma bagagem teórica sobre negócios e empreendedorismo, no DB Lab, construiremos essa bagagem teórica com você. A relação é de uma mentoria passiva, de um professor com um aluno.

Acredito fortemente que o Brasil vai passar por uma curva de crescimento exponencial de negócios digitais nos próximos anos, e entendo que aqueles que investirem nisso hoje, terão fortes recompensas em um breve futuro.

Sempre que nos vislumbramos com uma empresa que mudou seu mercado (ou criou seu próprio mercado), nos perguntamos o que estávamos fazendo quando esse negócio passou a surgir. Ninguém sabe o que vai ser a grande tendência daqui a 10 anos.

Os grandes empreendedores não são aqueles que embarcam em uma tendência, mas sim aqueles que desenvolvem a tendência.

Se você quiser saber mais sobre o Digital Business Lab, leia a cartilha da ESPM. Qualquer dúvida, entre em com a ACE pelo contato@goace.vc.


TAGS: , , , , , , , ,