O lançamento da Amazon Go, loja física conceito do maior ecommerce do mundo, provocou um grande movimento no mercado. Como a Amazon tem fama de inovadora, muita gente ficou se questionando o que teria motivado a empresa (nascida como uma startup na garagem da casa de Jeff Bezos) a se movimentar na direção da criação de lojas físicas.

O movimento de empresas nascidas no mundo online que buscam ganhar espaço no varejo físico, porém, não se restringe a gigantes como a Amazon. No Brasil, marcas como a Giuliana Flores e a Brused também encontraram neste caminho uma forma de expandir seus negócios.

>> Baixe agora: Como sua empresa pode aplicar o Growth Hacking na prática
>> Leia também: Como o Nubank criou uma legião de seguidores

Integrante do portfólio de startups da ACE desde 2014, a Brused faz compra e venda de equipamentos eletrônicos usados. Desde o ano passado, a empresa tem investido na abertura de quiosques em shoppings e galerias comerciais. Além de mais um canal de vendas, a opção também é encarada como uma estratégia de marketing.

Sentimos que, no Brasil, ainda havia um certo preconceito com a compra e venda de equipamentos usados. Ao saber que temos lojas físicas, as pessoas se sentem mais confortáveis para fazer negócio conosco. Bruno Fuschi, fundador da Brused

Atualmente, a empresa conta com quatro unidades abertas. Até o final do ano o plano é chegar a 10 e começar a expansão para fora da região metropolitana de São Paulo.

Startup no varejo físico também é startup

A criação de um canal de vendas mais tradicional não significa que a empresa vá abandonar o mindset de startup. Muito pelo contrário. Todas as vantagens competitivas conquistadas ao apostar na inovação ágil, são também úteis no varejo físico.

No caso da Brused, os fundadores fazem questão de levar para a nova operação muitos conceitos que aprenderam por serem uma startup.

Quem analisa os pontos em que estamos abrindo nossas lojas talvez não veja muitas similaridades entre eles. Isso acontece justamente porque estamos testando os melhores modelos, para poder investir mais pesado no que funciona. Preferimos descobrir na prática do que fazer grandes planos e depois perder caminhões de dinheiro. Bruno Fuschi, fundador da Brused

Para a Amazon toda essa mentalidade pode ser vista desde o conceito de seu mais recente lançamento. A Amazon Go é uma loja sem check-out e vem sendo descrita como um forte indicador das inovações que devem afetar o varejo nos próximos anos. Mesmo a compra da Whole Foods, anunciada pela empresa no final de 2017, tem muito disso, uma vez que a integração dos mercados com sua operação online foi um dos grandes chamarizes do negócio feito pela Amazon.

Como as empresas tradicionais reagem à nova concorrência

Não é de hoje que o varejo tradicional olha com atenção o movimento das startups. A própria Amazon, que provoca arrepios nos concorrentes cada vez que resolve investir em um novo setor, é um bom exemplo disso. Conforme a Amazon cresceu e seus negócios se consolidaram, varejistas tradicionais passaram a investir mais pesado em suas operações online.

Empresas como o Grupo Pão de Açúcar, no Brasil, e o Walmart, em todo o mundo, procuram construir marcas cada vez mais fortes integrando experiência física e na internet, investindo pesado em conceitos como o omnichannel.

Para Flávio Rocha, presidente da Riachuelo e um dos principais nomes do varejo, é positivo que toda essa movimentação aconteça.

No final das contas, sempre que alguém traz novidades para um mercado, quem ganha é o consumidor. E com isso, ou as empresas tradicionais se adaptam e sobrevivem, ou batem cabeça e morrem por não ouvir o que os clientes querem. O que importa é que o consumidor sai ganhando. Flávio Rocha, presidente da Riachuelo, em entrevista ao blog da ACE

Com o tempo, a tendência é que sobrevivam as empresas que conseguirem marcar melhor presença nos canais que façam sentido para os clientes, sejam eles quais forem.

Como ter uma estratégia forte como a da Brused?

O fato de a Brused ser uma empresa antenada com as principais tendências do mercado mundial não é mero acaso. A empresa participou do programa de aceleração da ACE, onde teve acesso às melhores técnicas e estratégias de gestão.

Se seu negócio também precisa chegar ao próximo nível, aproveite que estamos com inscrições abertas e se junte à rede de startups mais promissoras do Brasil.

Aqui, você terá acesso a centenas de mentores, até R$ 650 mil em investimento e a uma metodologia de aceleração de sucesso comprovado.

INSCREVA-SE AGORA!


TAGS: , , , , , , , ,