Antes que, nesta quarta-feira (18/10), sete startups aceleradas pela ACE apresentassem seus pitches a um público de investidores e potenciais clientes, foi a vez da própria ACE colocar números interessantes na mesa.

Para abrir esta edição do Demo Day – que contou com empreendedores da 9ª turma de aceleração, hoje no estágio Growth do programa –, Pedro Waengertner, CEO da ACE, afirmou que 40% das 160 startups aceleradas até agora foram recebidas só neste ano.

> Leia mais: Como calcular seu tamanho de mercado
> Veja também: as novas startups da ACE

Tem mais. Segundo Pedro, 80% das startups receberam investimentos até três meses após o fim da aceleração.

Só as últimas sete empresas que se apresentaram na edição anterior do Demo Day levantaram mais de 7 milhões de reais em recursos após o evento – e já apresentaram, combinadas, expansão de 120% em seus resultados desde então.

Para os empreendedores das startups escolhidas para se apresentar nesta quarta-feira, a notícia trouxe expectativas ainda maiores.

Como foi o Demo Day da ACE

As startups desta edição do Demo Day foram Social Wave, Poppin, Buzz Lead, LogComex, Resultys, Bike Registrada e Nuper.

Elas atuam em setores extremamente diferentes – dos mercados de encontros e relacionamentos ao de comércio exterior. Todas, porém, têm em comum o uso hábil da tecnologia para resolver problemas complexos de clientes muito diferentes.

O Demo Day ocorreu no escritório da TozziniFreire Advogados, parceira de longa data da ACE, na Vila Mariana, em São Paulo.

Rodrigo de Campos Vieira, sócio da área de startup e inovação do TozziniFreire, contou aos presentes como o escritório se aproximou do tema – e as transformações internas que nasceram desse contato, oxigenando o ambiente e fomentando discussões que levaram a evolução de diversas lógicas de negócios.

pierre schurman no demoday da ace

Vales da morte a cada esquina

Ainda antes da realização dos pitches, Pierre Schurmann, sócio e cofundador do Bossa Nova Investimentos (que anunciou recentemente um deal com a ACE), apresentou sua trajetória como empreendedor e investidor, além das teses de investimento do fundo.

A meta do Bossa Nova, hoje, é investir em entre 15 e 20 startups por mês. Só neste ano, já foram quase 80. “O mercado acredita que não é o melhor momento para investir. Para nós, é exatamente o contrário”, disse Pierre.

De suas experiências, e também do foco do Bossa Nova em apostar em criadores, mais do que em suas criaturas, Pierre trouxe também uma importante lição aos presentes: fiquem sempre atentos. “Como empreendedores, atravessamos o vale da morte diariamente. Todo dia aparece mais um. Quando o empreendedor acha que atravessou o vale da morte de vez, seu fim está começando ali”, disse Pierre.

happy our do demoday da ace

Os frutos da aceleração

Durante os pitchs, muitos deixaram clara a importância da aceleração para atingir tanto os resultados quanto os potenciais de crescimento. “A aceleração foi fundamental para compreendermos nosso modelo de negócios.

Triplicamos o faturamento mensal nos últimos três meses, desde que iniciamos esta fase da aceleração”, disse Almir Alves, da LogComex.

Cada startup teve sete minutos para fazer seu pitch. Na plateia, os convidados, muito atentos, tomavam notas e tiravam fotos dos slides.

Em seguida, empreendedores e investidores, além dos demais presentes, foram convidados a conversar com mais tranquilidade durante um happy hour, feito ali mesmo. Foram servidas pizzas – mas é bem provável que as conversas tenham acabado em outra coisa.


TAGS: , , , , , , , , , , , , , ,