*Por Jonathan Soifer, CEO da Skippa, startup acelerada no ACE Start! 

Gosto da ideia de que a maioria dos acrônimos pode ter significados diferentes de acordo com o contexto e “M.V.P.” é um conceito que pertence à essa lista.

A sigla “MVP” em Inglês pode significar Jogador Mais Valioso para os torcedores que acompanham esportes mas também pode significar Produto Mínimo Viável para os que orbitam o mundo das startups ou trabalham com inovação.

Apesar de ser um assunto relacionado com negócios, esses mesmos princípios podem ser aplicados aos Seres Humanos e sua Jornada de Espiritualidade.

Essa jornada de Mínimo Produto Viável para Mais Valioso é um denominador comum nos desafios que todos os produtos, serviços e seres humanos enfrentam.

O conceito de Produto Minimamente Viável foi criado durante a Revolução Startup Enxuta. Se você deseja saber mais sobre esse assunto, recomendo fortemente a leitura dos seguintes livros:

Do sonho à realização em 4 passos, de Steve Blank
A Startup Enxuta, de Eric Ries

De um modo superficial, o processo inteiro se baseia na compreensão de como podemos entregar valor para os usuários e clientes, tratando essa compreensão como uma hipótese e construindo um produto que valida se essa hipótese é verdadeira ou não.

Build – Measure – Learn e Espiritualidade

Mas como isso se relaciona com Espiritualidade?

O ciclo de “Construir • Medir • Aprender” descrito no movimento Startup Enxuta é aplicado diariamente na escola conhecida como Yoga Arhática.

Todo aquele papo meio hippie de “a vida é uma escola” se torna ações que podemos executar quando tratamos nossos enganos e nossas falhas de caráter como um Defeito de Produto e trabalhamos duro para conserta-lo tão logo seja possível.

Para podermos consertar o Produto e aprender nossas lições, precisamos:

• Estarmos Conscientes de nossas falhas, erros e vícios.

• Conhecer as Técnicas e Processos para corrigir o Produto.

• Colocar nosso suor e esforço. “Sentar e programar”.

Note que esse raciocínio implica que, como qualquer outro produto, Seres Humanos podem ser infinitamente aprimorados.

Isso também é mencionado por Carol S. Dweck na teoria da “Mentalidade de Crescimento”, descrita em seu livro homônimo.

01. Medir

Ou: a importância da Consciência

Por que consertaríamos um Produto que está funcionando perfeitamente.

Não consertaríamos. Bom, pelo menos eu não consertaria. Por isso que nesse ciclo de avaliação, estarmos cientes de nossos erros é tão importante. Quando acreditamos que somos perfeitos, isso se chama Orgulho.

Essa etapa Espiritual de Autoavaliação e Consciência é o equivalente ao passo “Medir” na Metodologia da Startup Enxuta.

• Em Sânscrito, Consciência é chamada Dhyana.
• Em Chinês, Consciência é chamada Chan.
• Em Japonês, Consciência é chamada Zen.

Eventualmente o significado dessas palavras cresceu e começou a englobar Técnicas de Meditação (e até mesmo Escolas Espirituais) utilizadas para desenvolver e expandir nossa consciência. Possivelmente esse era o significado original delas.

02. Aprender

Ou: eliminando as falhas de caráter

Uma vez conscientes de nossas oportunidades de desenvolvimento e dos problemas que precisam ser corrigidos, temos que efetivamente corrigi-los. Diferentes Escolas Espirituais possuem diferentes abordagens e ferramentas para isso.

“Quem conta um conto aumenta um ponto.”

Para evitar as distorções que naturalmente ocorrem quando alguém ainda não qualificado como Professor/Instrutor decide transmitir o Ensinamento para outras pessoas, muitas dessas técnicas são mantidas em segredo.

Quando as Escolas Espirituais permitem que qualquer aluno saia ensinando as técnicas para outras pessoas, elas acabam sendo distorcidas e, com o passar dos anos, perdem completamente a eficácia se tornando meras “simpatias” ou “superstições”.

Essa etapa Espiritual de Eliminar as Falhas é o equivalente ao passo “Aprender” na Metodologia da Startup Enxuta.

03. Construir

Ou: “ralando”.

Nossa maior oportunidade de crescimento está no nosso cotidiano, não em uma bolha de proteção ou em monastérios isolados.

Não adianta “falar bonito”. Temos que executar. Usando as técnicas (preferencialmente aprendidas em alguma Escola que seja confiável e que tenha mantido o conhecimento puro).

Controlar nossa natureza inferior e se tornar uma pessoa melhor é uma tarefa árdua (pelo menos para mim tem sido f***). Mas é a tarefa mais nobre e mais importante à qual podemos nos dedicar.

E temos a chance de fazer isso ao lado das pessoas que amamos. Morando em grandes (ou pequenas) cidades, enfrentando horas de trânsito. Ficando frustrado, sendo desafiado e incomodado. Esses são os “pesos de musculação” que estamos levantando para criar nossos músculos.

“Dando tempo suficiente, tudo é possível”

Esse é um dos temas essenciais ao conceito de Espiritualidade: nos tornarmos pessoas melhores, saindo do nosso estágio atual de “Minimamente Viável” rumo ao nosso futuro “Mais Valioso” nessa jornada que chamamos de vida.

Avisos Importantes e Créditos

 

01. Nenhum desses conhecimentos pertencem a mim

Claro que vez ou outra eu acabo distorcendo algum dos Ensinamentos.

Mas toda essa informação me foi passada por um Grande Professor Espiritual chamado Mestre Choa Kok Sui, especificamente na Uni Prana.

02. Por que estou escrevendo isso?

Especialmente para me lembrar de “fazer mais e falar menos” e retomar minhas Práticas Espirituais.

Mas… se você acha que também tirou algum proveito desta leitura, sinta-se à vontade para comentar!

Publicado originalmente no Medium, em inglês. Jonathan Soifer é CEO da Skippa, startup acelerada no ACE Start. Você pode encontrá-lo no no Linkedin e no Twitter, ou em seu blog sobre Engenharia de Software, programado em Elixir e Phoenix, no Heroku.


TAGS: , , , , , , ,