* por Melqui Sodré, CEO da Venda.la

Participar do processo de aceleração da ACE foi transformador. A empresa já existia há 13 anos, mas nunca chegamos perto de ser uma startup. Sempre trabalhamos duro e com muita dedicação. Mas os resultados não eram proporcionais ao esforço empregado.

>> Leia também: O que é uma startup?
>> Veja mais: Quais são os melhores tipos de modelo de negócio?

Logo que entramos na ACE, na etapa de validação, percebemos que estávamos apenas reproduzindo o que já existia no mercado, sem nenhuma inovação. Quer mais? Percebemos que o que estávamos reproduzindo nem era o que o cliente de fato precisava, que nossas soluções não resolviam problemas, apenas minimizavam.

Então “saímos do prédio” e fomos a campo entender e se apaixonar pelo problema de nossos clientes. A ideia era sair do clichê de que “o cliente sempre tem razão” e aplicar essa velha máxima na prática. O CLIENTE É REI.

O papel da validação

Essa transformação de percepção e mentalidade foi um choque e, mais uma vez, os métodos e o apoio da ACE foram essenciais para validar todo nosso modelo de negócio.

Me recordo que passamos um mês apenas escutando clientes para entender seu dia a dia e cada detalhe de suas operações. Essa foi a tarefa mais valiosa de toda a aceleração, sem dúvida nenhuma.

Requer muita humildade para reconhecer que não se entende nada do que se está fazendo, deixar o ego de lado, apenas escutar, observar e aprender. Criar uma empatia real e ser sensível às dores do cliente.

>> Saiba mais: Os sete passos para a descoberta da dor do cliente
>> Baixe agora o e-book sobre como criar produtos viciantes

Terminada essa etapa, tivemos que lidar com um milhão de ideias e possibilidades, criar um MVP, colocar em produção, aprender e recomeçar. Cada passo foi um enorme desafio.

Após nosso primeiro MVP, conseguimos encontrar nossa inovação. Foi um momento mágico!  Anos de trabalho e nunca conseguimos sequer enxergar nosso lugar no mercado e, em pouco mais de 2 meses com a ACE, já conseguimos começar a inovar.   

Aprender, construir e medir. Sempre!

Com os resultados do MVP em mãos, era hora de continuar o fluxo de “aprender, construir e medir”. Em paralelo, tínhamos que pensar em como levar essa nova proposta de valor para o mercado.

site vendala: criando uma startup
O novo site da Venda.la: em poucas horas, o resultado que a versão antiga tinha em um mês

Me lembro que ficamos alguns poucos dias para reformular nosso site, como parte da nossa nova estratégia de comunicação, e, 24 horas depois de seu lançamento, conseguimos a mesma quantidade leads que demorávamos um mês para conseguir.

>> Baixe agora um guia de Growth Hacking na prática!

Nós não mudamos absolutamente nada a não ser o conteúdo do site, não inserimos mais dinheiro em campanha, não houve tempo para SEO, nada. Isso validou que estávamos mais sensíveis aos problemas enfrentados pelo mercado e que agora estávamos começando a produzir soluções valiosas.

Medos, incertezas e resultados

As lições não foram fáceis. No meio do caminho tivemos muitos medos e incertezas. Vez ou outra, alguém do time não estava alinhado com o que estava sendo feito e tínhamos que resgatar essa pessoa para o processo.

>> Leia também: A trajetória da Upik ao longo da aceleração e a importância da resiliência
>> Veja mais: O que a Flapper aprendeu ao fazer 228 pitches para conseguir um investimento

O foco também é um desafio enorme. Com um turbilhão de coisas acontecendo é fácil se perder no meio do caminho. Nessa hora, o acompanhamento do acelerador é fundamental para organizar as ideias, isso diminui muito o percurso até o resultado esperado.  

Se eu pudesse escolher um só ensinamento de toda a aceleração, seria o “Job to be done”. Tivemos outras metodologia importantíssimas como o AHA Moment e WOW Moment, mas nos aprofundar no conceito do JTBD foi, sem dúvidas, “a life changing experience”.

Agora que estamos na etapa de crescimento do programa, o desafio é escalonar nossa equipe, tornando-a mais competente e plural. Assim conseguiremos resolver mais problemas e de forma ainda melhor. Tomar decisões baseadas em dados – “data first” – e ser ainda mais “pareto” é o cotidiano que conquistaremos.

vendas-gatilhos-negocios-cta


TAGS: , ,